Novidades

A Obra da Pintora

Bordados

Rendas

Desenhos

Artefactos e...

Artes do Fogo

Fatos regionais e...

Memória

Museu ao vivo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RENDAS

pano redondo em tule branco bordado (flores e pássaros)

“Onde há redes há rendas”. Se assim rezava o povo assim o confirmam os factos no nosso País. Embora tenham existido casos pontuais tal como Nisa, a indústria da renda de bilros desenvolveu-se entre as populações marítimas, primeiro na região Entre Douro e Minho (Caminha, Póvoa de Varzim, Vila de Conde, Azurara), estendendo-se depois para Sul até ao Algarve (Peniche, Setúbal, Lagos e Olhão).

Esta indústria, nascida à beira-mar, também tem como razão da sua existência a escassez da pesca e da agricultura, encontrando assim a mulher uma forma de minorar as dificuldades económicas e de encurtar a espera dos que estão na faina. Necessidade e engenho fazem surgir esta manifestação artística de arte popular - no mar, o silêncio; na terra, o tilintar dos bilros. Ritmos e cadências diferentes, mas no mesmo sentido.

A manufactura de rendas do nosso País é anterior ao séc. XVIII. Parece que a palavra surge pela primeira vez no reinado de D. Sebastião, em 1560. Embora a renda de bilros imperasse, também se fazia a de agulha.

As rendas tradicionais portuguesas são as de bilros (executadas sobre um piqué e posteriormente sobre o desenho não picotado), de evolução lenta devido à complexidade do trabalho, que exige da rendilheira capacidades e qualidades muito específicas.

Nas pragmáticas de D. João V referia-se que as rendas a usar nos trajes seriam as flamengas, limitando assim a nossa indústria rendeira. Rendeiras nortenhas em comício, encabeçadas pela vilacondense Joana Maria de Jesus, enviam ao rei um protesto, conseguindo um alvará que excluía a proibição no que se refere a lenços, lençóis, toalhas e outro bragal da casa. Só com D. José, em 1751, foi permitida também a sua utilização na roupa branca de uso pessoal.

A imitação das rendas estrangeiras era executada apenas entre a aristocracia, porque as populares mantiveram-se fiéis aos modelos tradicionais da de bilros.

A Natureza entre nós foi o modelo desde a imitação à estilização floral.

pano redondo em tule (bailado)

pano hexagonal em renda de frioleiras de cor creme

toalha quadrada em renda de Milão

quadro de renda de crochet de arte

quadro em tule bordado

     

pano redondo em tule

 

pano em bicos em tule

     

panos em tule bordados

pano quadrado em tule bordado com motivos regionais